mobile_revolution__juana_medina

Hoje é um triste dia para nossa democracia.
Aproveito para avisar que deixarei de usar o Facebook para a comunicação interpessoal.
Considero esta plataforma parte do nosso problema. Precisamos fortalecer meios de comunicação mais livres, autônomos e não-comerciais.
Os efeitos do Facebook sobre a Internet são terríveis. Quero que a Internet seja uma cidade de direitos, não um condomínio vigiado. O Facebook, as Telecoms (ao tarifar cada vez mais nossos dados), as instituições policiais e do judicário (ao transformar a internet num espaço vigiado e militarizado), as corporações midiáticas (ao controlar e monetizar nossa comunicação), são todos parte do problema que temos diante de nós. É urgente a democratização dos meios de comunicação. Cada um de nós pode ser mais do que um espectador. O mesmo vale para nossa ação política.
Não é fácil sair da zona de conforto. Mas posso garantir que há vida lá fora. A construção de um novo sistema político, além das novas lutas organizativas, também é feita de uma micropolítica das escolhas individuais cotidianas. Aproveite o triste dia de hoje para fazer uma escolha feliz de liberdade em qualquer domínio de sua vida.

Fonte imagem: de Juana Medina – http://www.cartoonmovement.com/p/2825 – Arab World Fights for Freedom.

monopolio-midia

 

Assim como em junho de 2013, não é mais possível analisar os protestos e seus sentidos sem ter os pés, olhos e ouvidos em diferentes espaços simultaneamente. O que acontece no espaço físico da rua é indissociável do que ocorre na esfera comunicacional.

Novamente, assistimos a uma acirrada disputa pela narrativa dos fenômenos e a emergência de dinâmicas que visam direcionar e reduzir expressões diversas de descontentamento para sistemas binários de oposição, onde, inevitavelmente, a batalha é facilmente ganha por aqueles capazes de hegemonizar sua versão dos fatos. Tal processo é acompanhado pela destruição da política como resultado da ação identitária (minha visão de mundo é melhor, é mais verdadeira do que a sua) de grupos forjados na pura emoção. Receita fácil para fascismos diversos.

O problema é mais grave quando a comunicação em redes digitais (celular+internet) é capturada, selecionada, editada e retransmitida por meios de comunicação de massa (TV, radio e grandes jornais e revistas) cujo controle e propriedade são absurdamente concentrados. A produção distribuída do cidadão na ponta do celular, mediada e retransmitida de maneira centralizada pelo grandes aparatos de mídia é capaz de produzir qualquer realidade. Os levantes da primavera árabe não foram feitos só de internet, mas de lutas no asfalto com transmissão centralizada pela Aljazeera.

É por isso que não basta ir às ruas, mesmo com uma multidão. É preciso também disputar as interpretações e desafiar as narrativas estabelecidas pelos grandes veículos de comunicação. E não falo só da TV e dos grandes jornais. Ambientes como o Facebook, cuja natureza é privada e corporativa, funcionam de maneira a reforçar nossas posições iniciais, criando grandes ilhas onde só nos comunicamos com nossos iguais. Há pouco espaço para o contraditório. Ademais, o controle sobre o funcionamento do algoritmo, que determina o que vemos e com quem interagimos, é um negócio bilionário cuja operação pode ser perfeitamente conduzida. Neste sentido, se a internet parecia uma terra livre em seu início, hoje ela está cada vez mais colonizada pelo poder econômico.

Se somarmos a capacidade de concentração e direcionamento do Facebook ao poder de centralização e transmissão massiva das TVs e grandes jornais brasileiros, temos um sistema comunicacional que abarca quase a totalidade dos cidadãos recebendo informações mediadas por grandes corporações.

Onde está a liberdade de comunicação, expressão e pensamento?

Assim, talvez hoje estejamos diante de uma importante encruzilhada.
Nas redes digitais está sendo travado uma guerra comunicacional entre grupos de posições distintas, mas a emissão centralizada das televisões e grande jornais ainda é capaz de produzir o assunto comum no país, e por isso, controlam a agenda política.
Por isso, a luta pela democratização e regulação econômica dos grandes meios de comunicação de massa (tv, radio e grandes jornais) é tão importante quanto a disputa da narrativa política na internet e nas ruas. Tudo ao mesmo tempo agora.

Member of The Internet Defense League

 

Esta semana está acontecendo a Conferencial Mundial da Comunicação Internacional (World Conference on International Communication – WCIT) em Dubai. É um evento organizado pela União Internacional das Telecomunicações – UIT (Internacional Telecommunication Union), que se tornou uma agência das Nações Unidas. Surgida originalmente em 1865 para regular a comunicação telegráfica, passou mais tarde a regular a comunicação telefônica e agora quer estender sua influência sobre a Internet (que não funciona segundo os princípios da telecomunicação). A situação é bem problemática e com sérias ameaças à liberdade de comunicação na internet e às condições de democratização no acesso às redes digitais.

 

A participação do governo brasileiro, através do Ministro Paulo Bernardo, do MiniCom, também é preocupante, uma vez que ainda não tivemos a aprovação do Marco Civil da Internet no Brasil, que está parado no Congresso e deveria ter sido votado nas semanas anteriores.

Selecionei abaixo algumas matérias e fiz um breve roteiro para ajudar a entender a situação:

1. Artigo “O Dono da Rede” de Murilo Roncolato e Tatiana de Mello Dias, publicado no Caderno Link do Estadão: http://blogs.estadao.com.br/link/o-dono-da-rede/

2. Entrevista com Jerry Brito, organizador do WCITLeaks que ajudou a divulgar documentos secretos com propostas de alguns governos para esta reunião: http://blogs.estadao.com.br/link/vazamos-para-todos-verem-o-que-e-discutido/

Neste link, você tem acesso direto à organização WCITLeaks – http://wcitleaks.org/

3.Site do Centro para a Democracia e Tecnologia, com diversas informações sobre a UIT e sobre a reunião de Dubai: https://www.cdt.org/issue/ITU

Abaixo, duas sugestões de sites para participar das campanhas de defesa da internet.

4. Campanha internacional “Liga de Defesa da Internet” – http://internetdefenseleague.org/#

5. Outra campanha pela liberdade na/da rede: http://www.internetcoup.org/pt/

6. Twitter: #WCIT #ITU #UIT @Paulo_Bernardo #internetlivre #MarcoCivil